ÉTopSaber Notícias e Criptomoedas

Redes sociais

A Rússia estaria por trás da “Síndrome de Havana”, diz jornal

Gettyimages 1231400735 1.jpg

Compartilhe:

A Rússia pode estar por trás do mistério “Síndrome de Havana”relatada por funcionários dos Estados Unidosaponta uma investigação de cinco anos encabeçada pelo programa 60 minutosda CBS, em parceria com a revista alemã Der Spiegel eo site investigativo O informante.

Os “incidentes anômalos de saúde” foram notificados pela primeira vez em 2016, em Cuba. As vítimas sentiram enxaquecas, náuseas, lapsos de memória e tonturas. Posteriormente, casos foram registados em outros países, incluindo nos EUA.

Segundo os veículos, eles mostraram uma suspeita de ligação entre os ataques da “síndrome de Havana” em Tbilissi, na Geórgia, e uma unidade secreta russa.

Uma fonte confiável chamou as novas evidências de um “recibo” de testes de armas sônicas feitos por esse centro de inteligência russo — algumas das vítimas ouvidas pela investigação falaram sobre eles ouviram sons “muito altos” antes dos sintomas aparecerem.

O renomado jornalista investigativo, Christo Grozev, identificou o centro de inteligência como “Unidade 29155”. Ele explicou ao 60 minutos que o local teria assassinos e sabotadores que usariam explosivos, venenos e equipamentos com tecnologia avançada contra os alvos.

De acordo com a CBS, Grozev acredita ter encontrado um documento que pode esta unidade de inteligência a ligar uma arma de energia acústica. O e-mail fala sobre serviços prestados por um membro da 29155 ao governo russo sobre “as capacidades potenciais de armas acústicas não letais”.

Um suposto membro da Unidade, Albert Averyanov, é alvo de uma investigação sobre a “Síndrome de Havana” em Tbilissi.

Fontes disseram ao 60 minutos que há evidências de que alguém na capital acessou o e-mail pessoal de Averyanov durante os incidentes ocorridos. Grozev acredita que foi o próprio Averyanov.

“Acreditamos que os membros da Unidade 29155 estavam lá para facilitar, supervisionar ou talvez até implementar pessoalmente ataques a diplomatas americanos, a funcionários do governo americano, usando uma arma sônica”, afirmou o jornalista à CBS.

O jornal reforça que, apesar das descobertas, “não há uma resposta clara sobre quem ou que país esteve por trás destes incidentes”.

Em 2022, a CIA disse ser suspeita de que a Rússia ou outro “ator estrangeiro” tenha causado a maioria dos incidentes.

Fonte

Leave a Comment